sábado, 20 de outubro de 2012

A vocação da donzela - parte 1








A vocação da donzela


1. O que é a vocação

Neste mundo cada um tem a sua missão a cumprir, e são as mais diversas as condições em que ela se impõe. Para lhe ser fiel, é preciso isso a que se chama a Vocação, que é uma inclinação para uma coisa determinada, e, na ordem sobrenatural, um atrativo produzido pela graça. Com efeito, a vocação (de vocare, chamar) é um convite, um chamado de Deus para servi-lo num estado particular, num gênero de vida ao qual nossos gostos e aptidões nos induzem, e no qual Ele nos propicia socorros especiais para nos ajudar a operar a nossa salvação.

a) A vocação é uma graça, ou, antes, uma série de graças atuais, de iluminações, de inspirações sobrenaturais, sob cuja influência a alma se sente atraída para tal ou tal estado. Se a alma corresponde a essas inspirações, elas se tornam o ponto de partida de toda uma série de socorros destinados a facilitar-lhe a sua missão.

b) Não é uma ordem, mas um chamado, um convite. – É uma estrela que brilha aos nossos olhos, como a dos magos, e que nos mostra o caminho pelo qual Deus deseja enveredemos para chegarmos mais seguramente a Ele.

c) Esse chamado tem lugar de muitas maneiras. Como o Apóstolo no caminho de Damasco, alguns são derrubados para serem mais bem esclarecidos. Porém, as mais das vezes, a vocação é uma voz que, ora doce, ora premente, se faz ouvir à alma como um eco longínquo de Deus que chama.

Há também almas que vivem longo tempo na noite das incertezas, e é tateando na sombra que elas vão em busca da trilha.

d) Nada escapa à solicitude do Criador. A própria vida do inseto é objeto dos seus desvelos, e é Ele quem dirige a marcha do astro nos céus. Sumamente razoável é, pois, que o homem seja por Ele guiado na escolha do caminho que deve seguir. Se Ele declarou no Evangelho que “nem um cabelo da nossa cabeça cai sem a vontade do Pai celeste”, pode deixar criaturas humanas vaguearem à toa sem uma atenção paternal que as conduza à meta que Ele lhes fixou?

Quando um engenheiro quer construir um maquinismo, não produz ao acaso todas as peças da sua máquina; trabalha de acordo com o plano. Prevê com exatidão todos os detalhes, a proporção, o lugar de cada uma. Outro tanto faz Deus pela sua Providência. Todos os homens são peças desse imenso maquinismo que é o mundo humano. Essas peças são feitas para lugares determinados, para missões precisas; cada ser humano tem, pois, a sua vocação especial.

No mundo, não se acredita bastante nesse chamado do alto.

No entanto, como diz soberbamente o Pe. Coubé:

Cada um de nós tem as suas vozes como Joana ‘Arc, cada um de nós tem a sua vocação. Não somente Deus nos fixa um estado de vida em que, para O servir e nos salvar, teremos graças que não acharemos alhures, mas ainda nos encaminha para Ele lentamente, como por acaso. O acaso? E há verdadeiramente acaso na terra? Veja-se um grãozinho carregado pelo vento; onde e quando o deixará o vento cair? Quando parar de soprar, dir-me-eis. Sim, mas ele parará de soprar na hora e no lugar marcado pela Providência, por cima do côncavo de um rochedo, onde o grãozinho achará um pouco de terra, um pouco de Sol para germinar, se Deus quiser que ele se torne flor. Assim também as nossas vidas. Parecem colhidas por um turbilhão, mas é o espírito de amor que passa e que as leva lá para onde as esperam o raio de luz e o orvalho do Céu.

e) A vocação é o nosso negócio capital. – Dela é que pode depender a nossa Eternidade. Sumamente importa, pois, antes de empreender a longa viagem da vida, conhecer a meta e o meio de atingi-la.

livro: A formação da donzela- padre José Baeteman
Parte V

A vocação da donzela
Capítulo I

Em Jesus e Maria,
Débora Cristina

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Salve Maria!

Atenção, não serão aceitos comentários em caps lock e em anônimo sem identificação.

Obrigada pela visita e comentário :)