segunda-feira, 29 de outubro de 2012

A vocação da donzela - parte 4




4° Pode-se passar sucessivamente por desejos diferentes?

De cem moças piedosas que amam a Deus e que se acotovelam com religiosas, haverá bem umas noventa e nove que, em certas horas, acreditam ouvir o chamado de Deus para uma vida mais perfeita. Pela sua natureza entusiasta, por causa das múltiplas influências de um círculo familiar onde essa vocação era acatada, essas jovens almas lançaram-se de chofre para as alturas a que a sua pureza as atraía; e ei-las sonhando, umas com o cuidado dos pobres, com as missões longínquas, outras com o claustro e com todo o seu cortejo de sacrifícios e renúncias.

Não raro a imaginação entra por muito nessas aspirações da juventude. Os sentimentos mais verdadeiros, mais belos, mais fortes germinam tão depressa numa alma pura que deixa Deus governá-la!

Dia virá, entretanto, em que elas perceberão que tudo isso não passava de um sonho, e os contornos precisos de outra vocação mais verdadeira se lhes desenharão pouco a pouco na alma. Então uma angústia virá confranger-lhes o coração! Por que foi que Deus me mostrou esses alcantis, se não quer que eu os galgue? Por que foi que eu senti um primeiro atrativo, e agora sinto outro? Por que é que todos esses sentimentos tão nobres, tão generosos, tornam a cair como nuvens de pó que o vento levanta numa estrada larga?

Talvez seja por haver Deus querido atrair-vos a Ele de maneira mais íntima e mais terna. Ele vos colocou em face de um ideal para vos elevar, para vos enformar a alma e para vos impedir de ficardes vulgar.

Deixando essa alma tender a um fim especial que não é o seu, Deus fê-la demandar a meta geral de toda vida santa. Mais tarde, quando Ele afastar o objetivo colimado, para lhe mostrar outro, lá estará, ajudando essa passagem difícil e velando para que esses aperfeiçoamentos adquiridos, em vez de se esboroarem, sejam utilizados. Nisso, Deus não enganou essa alma. Não era a voz dEle que lhe murmurava aos ouvidos essas palavras mágicas: vida religiosa, doação total, imolação; Ele as deixava simplesmente sair, como vozes amigas, de todas as velas coisas que falam à nossa alma, de todos os nossos próprios sentimentos, que assim exprimiam o seu generoso ardor ( Prática progessiva, p. 280 ).

Sim, Deus permite esses vôos ingênuos, esses ardores primaveris, esses desejos vibrantes, para vos garantir contra vós mesma, contra o mundo e contra uma certa pressa natural que não seria conforme a Ele.

Permite-as para vos conservar em esferas mais elevadas e mais puras, para vos forçar a uma preparação a que, não fora isso, não pensaríeis em recorrer, enfim para vos enriquecer de merecimentos e de graças. E, chegado o dia de fixardes a vossa escolha, sentir-vos-eis mais forte, apesar de algumas desilusões, porque vos tereis aproximado mais de Deus.

livro: A formação da donzela- padre José Baeteman
Parte V

A vocação da donzela
Capítulo I

Em Jesus e Maria,
Débora Cristina

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Salve Maria!

Atenção, não serão aceitos comentários em caps lock e em anônimo sem identificação.

Obrigada pela visita e comentário :)